Em cima da hora:
Queda de energia em Brotas deixa serviço da Defesa Civil fora do ar
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 28/11/2014


    Título merecido
    O deputado Carlos Geilson (PTN) foi escolhido como um dos melhores deputados de 2014. A avaliação foi feita pelos jornalistas que cobrem a Assembleia Legislativa do Estado. Foi merecida a escolha. Geilson tem se destacado pela oposição sistemática que faz.

    Só alegria
    Ronny se reuniu na última quarta-feira (26) em almoço com 18 dos 19 vereadores que lhe apoiam. O clima foi de congraçamento total. Carlito, tenso, compareceu. Eremita, última a dar apoio, também se fez presente. Tonhe Branco em atividade no Aviário, não pode comparecer, mas está firme no apoio. Agora, é só aguardar o dia 15 de dezembro.

    Contas reprovadas
    As contas da campanha eleitoral de 2014 do presidente da Assembleia Legislativa (Al-Ba), Marcelo Nilo (PDT), foram desaprovadas por laudo técnico do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-Ba). O parecer expedido na última semana aponta diversas irregularidades na prestação de contas do deputado. Entre as “falhas de natureza formal”, ao menos três comprovantes não possuíam a assinatura do doador, o que inclui um repassado pelo governador eleito Rui Costa (PT) no valor de R$464,75 e outro da deputada estadual Maria Luiza Laudano (PSD), que discrimina a doação de R$ 6.555.

    Contas reprovadas
    O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) rejeitou as contas da prefeitura de Saubara, no Recôncavo, sob a gestão de Joelson Silva das Virgens, relativas ao exercício de 2013. O TCM ainda determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual (MP-BA) contra o gestor pelas irregularidades contidas no relatório anual. O parecer, do conselheiro Fernando Vita, aplicou multa de R$ 30 mil e determinou a restituição aos cofres municipais da quantia de R$ 367.469,65, com recursos pessoais, em razão da saída de numerário da conta específica do Fep/Royalties sem documentação de despesa (R$ 294.739,68), apresentação de nota fiscal em cópia (R$ 44.792.41), processos de pagamento não encaminhados à IRCE (R$ 10.055,00), casos de ausência de comprovação de despesa (R$ 9.062,43), despesas com juros e multa por atraso no pagamento (R$ 4.486,13) e casos de ausência de nota fiscal (R$ 4.334,00).

    Rendeu
    O marqueteiro baiano João Santana recebeu da campanha vitoriosa da presidente Dilma Rousseff (PT) R$ 78 milhões pelos serviços prestados. Dos R$ 350 milhões em gastos declarados pelo comitê da presidente em 2014, R$ 70 milhões foram diretamente para a conta da empresa do profissional em marketing, a Pólis Propaganda. Outros R$ 8 milhões foram repassados à empresa por meio do diretório nacional do PT. No total, o valor repassado para João Santana representa 20% dos gastos totais da campanha petista.

    Ministério I
    Não era o ministério dos sonhos para o economista Nelson Barbosa. Desde que saiu do governo, em maio de 2013, teve presença garantida em todas as listas de apostas dos mais cotados para substituir Guido Mantega no comando da Fazenda. Ficou com o Planejamento. Mas sua chegada ao primeiro escalão da Esplanada deve marcar uma espécie de ressurreição da pasta que perdeu influência e poder nas mãos de Miriam Belchior, no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. Na arrumação da casa, o novo ministro vai comandar a reformulação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), vitrine do governo Lula que não deslanchou como se esperava com Dilma.

    Ministério II
    O ministério da Fazenda ficou com Joaquim Levy, que fará dobradinha com Barbosa na busca do ajuste fiscal necessário na direção da recuperação da transparência da política fiscal – cuja perda de credibilidade com o uso de manobras contábeis o empurrou para fora do governo, após sucessivos embates com o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. Um desafeto declarado que Barbosa quer ver longe da Esplanada dos Ministérios. Quem espera atritos com Levy (os dois são parecidos no temperamento forte e impositivo) pode se surpreender, dizem os amigos mais próximos. Polarização e divergências devem ocorrer, mas a aposta é de que vão editar uma parceria para tentar recolocar a economia brasileira nos trilhos.



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia