Em cima da hora:
Família em Barbacena tem casa furtada enquanto viajava
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 24/11/2020


    Sobe - Esforço coletivo de diversas organizações na produção de vacinas para combater a covid-19.


    Desce - Produtores de fake news e discussões polarizadas em torno do segundo turno das eleições em Feira.


    O porquê


    Descriminalização de drogas, permissão de casamentos homoafetivos e discussões sobre “ideologia de gênero”. Estas, segundo o vereador Edvaldo Lima (MDB), em pronunciamento na sessão de segunda-feira, 23, da Câmara, teriam sido algumas das pautas atribuídas ao PT, “contidas no estatuto do partido”, que foram fundamentais para que ele saísse da sigla.


    O porquê II


    Diz ter deixado a legenda para buscar uma outra com “viés mais conservador”. Além de considerar essas “recomendações” um desrespeito às famílias cristãs, Edvaldo Lima acredita que trazem risco para a saúde e a segurança da população.


    Esquecido


    Sentindo-se “esquecido, usado e ignorado” por alguns amigos e também “pelo líder”, após perder a reeleição para a Câmara Municipal na próxima legislatura, o vereador Zé Filé (PSD) justificou ontem, em pronunciamento na Casa da Cidadania, a sua decisão de apoiar ao candidato a prefeito Zé Neto (PT), no segundo turno das eleições em Feira de Santana.


    “Divergências”


    Apesar de admitir divergências com o candidato a prefeito pelo seu partido, Zé Neto, e considerar que ele tenha dado “uma declaração infeliz” em entrevista, o vereador Alberto Nery (PT) disse que vai apoiar o deputado federal na corrida pelo comando administrativo do Município, no segundo turno do pleito. “Nós temos diferenças. Não estou no Partido dos Trabalhadores para dizer amém a quem quer que seja”, disse ele.


    Divergência II


    Mesmo entendendo ter sido “prejudicado por muitos”, inclusive dentro do grupo político a que pertence, pois “colocaram candidatos” em suas bases eleitorais, e de receber contatos na tentativa de que mude de posição no segundo turno das eleições para prefeito, Lulinha (DEM), que não se reelegeu para mais um mandato, afirma que vai continuar ao lado de Colbert. “Não tem conversa. Jamais irei trair meu grupo político”, disse ele.


    Também não


    Inspirada em seu avô, que foi “político a vida toda”, a vereadora Neinha diz que, embora não lhe tenha faltado “convite para ir a Salvador e ter ajuda”, não abandonará a candidatura à reeleição do atual prefeito Colbert Filho (MDB). “Não fiz acordo porque não preciso de acordo, porque quando Deus fala, ninguém pode invalidar”, afirmou.


    Medida crucial


    A substituição de alguns ocupantes do primeiro escalão é uma medida crucial a ser adotada pelo prefeito Colbert Martins Filho, caso seja reeleito para um mandato de quatro anos - ele comanda os destinos da gestão municipal há dois anos e meio em lugar de José Ronaldo, que deixou o cargo em 2018 para candidatar-se a governador da Bahia. Esta observação foi feita pelo líder do Governo, Marcos Lima.


    Militar na Câmara


    “Rogamos a Deus que nosso amigo possa transitar bem e ajudar a corporação”, disse na segunda-feira, 23, o vereador Sargento Josafá Ramos (DEM), sobre o seu colega da Polícia Militar Correia Zezito, eleito para a próxima legislatura da Câmara de Feira de Santana. Mesmo com a vitória de outro PM, ele diz que o resultado da eleição poderia ter sido melhor para a categoria, se fosse reeleito para mais um mandato.



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia