Em cima da hora:
Fechamento de autoescola vira caso de polícia em Presidente Prudente
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • 25/07/2017


    Sobe - José Ronaldo que, pela pesquisa Datta Sensus, dispara em Feira, como candidato a senador ou governador.

     

    Desce - João Leão (2,5%) e Juthay (0,3), por apresentarem na mesma pesquisa, números ínfimos para o Senado.


    Novo código penal

     

    No debate sobre o novo Código de Processo Penal (CPP) na Câmara, deputados discutem mudanças nas regras de delação premiada, prisão preventiva e condução coercitiva, além da revogação do entendimento de que as penas podem começar a ser cumpridas após a condenação em segunda instância. As medidas, que em parte se tornaram pilares da Operação Lava Jato, costumam ser alvo de críticas dos parlamentares. O Ministério Público Federal atribui à colaboração premiada importância significativa para o sucesso da operação e considera que ações para rever os acordos têm por objetivo enfraquecer as investigações.


    Situação normalizada

     

    A Casa da Moeda retomou, na manhã de ontem (24), a confecção de passaportes após o serviço ter ficado quase um mês suspenso por restrição orçamentária. A retomada da emissão do documento se dá três dias depois da Polícia Federal (PF) ter recebido um crédito suplementar de R$ 102,3 milhões para voltar a produzir os passaportes. Em nota, a Casa da Moeda confirmou na sexta-feira (21), que já havia recebido os arquivos com os dados pessoais de quem solicitou o documento em meio ao período em que a emissão de passaportes estava interrompida.

     

    Artistas contra Temer

     

    Grupo de artistas apoiado por nomes, como Caetano Veloso, Wagner Moura, Russo Passapusso, Arnaldo Antunes e Camila Pitanga, o "342 agora" pretende se reunir com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Eles têm pressionado deputados federais para que votem a favor da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), no plenário da Câmara. Por isso, o grupo quer demonstrar apoio à atuação do Ministério Público Federal (MPF). Segundo informações da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, interlocutores do grupo já procuraram assessores da PGR para solicitar o encontro.

     

    Propina para Geddel

     

    O Ministério Público Federal (MPF), no Distrito Federal, tenta identificar o "caminho da propina" que seria destinada ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). A informação deverá embasar uma denúncia do MPF acerca dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, que deverá ser apresentada nos próximos 15 dias. Geddel é investigado pela suspeita de integrar um esquema que operava a liberação de recursos do FI-FGTS a empresas, em troca de propina. O ex-ministro foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica, operadora do fundo, entre 2011 e 2013.

     

    Fundo para campanhas

     

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem (24), que é necessário criar um fundo de financiamento de campanhas eleitorais e que a palavra "propina" foi inventada por empresários ou pelo Ministério Público "para tentarem culpar os políticos". Em entrevista à rádio Tiradentes, do Amazonas, o petista afirmou que, "se os políticos não tiverem coragem de mudar a legislação eleitoral, de criar um fundo de financiamento de campanha para que não fiquem mais dependentes de empresário, o Brasil não vai ter jeito".

     

    Extrapolou

     

    O total de emendas parlamentares liberadas pelo governo nas três primeiras semanas de julho equivale a quase tudo o que foi liberado nos seis primeiros meses do ano, segundo levantamento da ONG Contas Abertas. Emendas parlamentares são recursos previstos no Orçamento, cuja aplicação é indicada pelo parlamentar. Esse dinheiro tem de ser obrigatoriamente empregado em projetos e obras nos estados e municípios. A liberação dos recursos é obrigatória, e o governo tem todo o ano para realizar os repasses. De janeiro a junho, informou a entidade, o total liberado foi de R$ 2,12 bilhões. Nas três primeiras semanas de julho, R$ 2,11 bilhões.

     

    Associação apoia Moro

     

    A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota ontem (24), em que manifesta apoio ao juiz Sérgio Moro e repudia as críticas feitas à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a 9 anos e 6 meses de cadeia por corrupção passiva. No texto, a Ajufe diz que Moro tem sofrido ataques a honra pessoal "por estar cumprindo seu dever". Responsável pela Lava Jato, na primeira instância, Moro considerou Lula culpado no processo que investiga suspeita de ocultação da propriedade de uma cobertura triplex no Guarujá,



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia